Ferramentas Pessoais
a a a
Revista CH / 2011

A Terra é azul!

Em 1961, um homem – Yuri Gagarin – subia, pela primeira vez, ao espaço. O feito posicionou os russos na frente da corrida espacial travada com os Estados Unidos após o fim da Segunda Guerra. Em 2011, comemoramos cinco décadas dessa façanha.

Por: Othon Winter

Publicado em 05/05/2011 | Atualizado em 05/05/2011

A Terra é azul!

Capa da edição de 12 de abril de 1961 do jornal ‘Huntsville Times’ noticiando a viagem de Yuri Gagarin ao espaço. Ele foi escolhido por seu excelente desempenho nos treinos e testes, sua baixa estatura (1,57 m) e sua origem camponesa. (foto: Pravda.ru)

Nascido em Klushino, Rússia, parte da então União Soviética, Yuri Alekseevich Gagarin começou a trabalhar como fundidor em uma metalúrgica. Depois, enquanto cursava o ensino secundário técnico, aprendeu a pilotar aviões leves. Ao concluir o curso, ingressou em uma escola de pilotos para treinamento de voo militar. Tornou-se piloto em 1957 e dois anos depois recebeu a patente de tenente sênior.

Em 1960 foi um dos 20 pilotos selecionados para participar do programa espacial soviético. Devido ao seu excelente desempenho nos treinos e testes, a sua baixa estatura (1,57 m) e a sua origem camponesa, foi escolhido para ser o primeiro homem a ir ao espaço. Gherman Titov (1935-2000) era seu primeiro reserva.

Em 12 de abril de 1961, Gagarin estava a bordo da espaçonave Vostok 1, lançada de uma plataforma em Baikonur, no Cazaquistão, por um foguete Soyuz. Durante o voo, que durou 108 minutos, completou uma órbita ao redor da Terra, viajando a uma velocidade aproximada de 27 mil km/h. Na descida, foi ejetado da nave quando estava a 7 km de altura e chegou ao solo suavemente, com o auxílio de paraquedas.

Com 4,4 m de comprimento, 2,4 m de diâmetro e pesando 4.730 kg, a espaçonave possuía dois módulos: o módulo de equipamentos (com instrumentos, antenas, tanques e combustível para os retrofoguetes) e a cápsula onde ficou o cosmonauta. Essa cápsula previa a acomodação, em assento ejetável, de um ocupante em traje pressurizado.

A nave tinha duas janelas: uma sobre a cabeça do cosmonauta e a outra próxima do visor de seu capacete. Perto de seus pés havia um visor óptico para ser utilizado como dispositivo de orientação. 

Yuri Gagarin
Yuri Gagarin algumas horas após o pouso da espaçonave Vostok 1. O voo durou 108 minutos, a uma velocidade aproximada de 27 mil km/h, completando uma órbita ao redor da Terra. (foto: Pravda.ru)

Em órbita, Gagarin fez algumas anotações em seu diário de bordo. Porém, ao usá-lo em um experimento de baixa gravidade, o diário flutuou e voltou para ele sem o lápis, que estava conectado ao livro por uma mola. A partir de então, todos os registros tiveram que ser feitos por meio de um gravador de voz. Como ele era ativado por som, a fita ficou logo cheia, pois muitas vezes o equipamento era ativado pelos ruídos na cápsula.

O mecanismo de frenagem da nave deveria funcionar por 40 segundos, o que a recolocaria na atmosfera. Mas Gagarin anotou em um relatório:

Logo que o mecanismo de frenagem parou, houve um brusco solavanco. A nave começou a girar ao redor de seu eixo em alta velocidade

“Logo que o mecanismo de frenagem parou, houve um brusco solavanco. A nave começou a girar ao redor de seu eixo em alta velocidade. A Terra passava no visor de cima para baixo e da direita para a esquerda. A velocidade de rotação era de aproximadamente 30 graus por segundo. Tudo girava. Em um momento vi a África; em outro, o horizonte; no seguinte, o céu. Não tinha tempo de fazer sombra para me proteger do Sol. Coloquei minhas pernas na direção da janela (de baixo) e não fechei as cortinas. Queria descobrir o que estava acontecendo.”

A separação entre a cápsula de reentrada e o módulo deveria ocorrer entre 10 e 12 segundos após entrar na atmosfera. Como isso não aconteceu, a nave ficou capotando, desgovernada. Gagarin informou que a separação não se deu, mas que estava tudo bem. Considerou que aquela não era uma situação de emergência e que o pouso seria seguro. A separação atrasou 10 minutos.

A partir de então ele observou que a luminosidade vermelha incandescente atrás de suas janelas – já esperada – era assustadora. A imagem era acompanhada dos ruídos das rachaduras das camadas de proteção térmica, que se queimavam no calor da reentrada na atmosfera. A temperatura externa do módulo era de aproximadamente mil graus Celsius.

Biotelemetria

Gagarin foi o primeiro ser humano a ver a Terra do espaço. Pôde vê-la como um todo e, entre as observações que fez, uma é marcante. Impressionado com o que via, afirmou: “A Terra é azul!”

Embora tenha durado apenas 108 minutos, o voo mostrou que o homem podia suportar os rigores da decolagem, da reentrada na atmosfera e da ausência de peso. Durante toda a viagem Gagarin esteve sob contínuo monitoramento e supervisão médica.

Durante toda a viagem Gagarin esteve sob contínuo monitoramento e supervisão médica

Além de estarem atentos aos relatos periódicos de como o cosmonauta se sentia, os médicos acompanhavam os dados de sua pulsação e respiração, que eram transmitidos constantemente por radiotelemetria. Surgia, assim, um novo ramo da ciência, a biotelemetria, que uniu os mais avançados conhecimentos da medicina e da radioeletrônica da época.

Na roupa que o cosmonauta usou sob o traje de voo foram instalados instrumentos simples e convenientes que convertiam parâmetros fisiológicos em sinais elétricos. A transmissão de impulsos via canais de rádio durante todos os estágios da viagem era garantida por sistemas especiais de medidas e amplificadores.

Durante o voo, Gagarin se alimentou e tomou água, mantendo contato contínuo com a Terra por rádio, em diferentes canais, telefone e telégrafo. Além de enviar relatos à Terra, registrou dados e observações no diário de bordo e no gravador. Num dos relatos disse que, após a injeção em órbita, pôde constatar a falta de gravidade. No início, sentiu certo desconforto, mas isso não durou muito, tendo se habituado logo àquela sensação.

 

Você leu apenas parte do artigo publicado na CH 280. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral. PDF aberto (gif)



Othon Winter*
Grupo de Dinâmica Orbital e Planetologia
Universidade Estadual Paulista (campus de Guaratinguetá)

*Colaborou Bruno Giuliatti Winter

Ações do documento
blog comments powered by Disqus
novobannerch.jpg  

pchael
Assinatura digital

acervo digital

Clique aqui para informações

Suplemento cultural

banner sC

Quer publicar na CH?

Se você é pesquisador e gostaria de submeter um artigo para publicação na Ciência Hoje, confira antes nossas instruções para autores.

Acesso ao conteúdo

A cada nova edição da CH impressa, alguns artigos e seções ficam disponíveis gratuitamente para todos os leitores. Esses itens são identificados com o ícone PDF aberto(para download) ou disponibilizados em uma versão digital reduzida da CH. Os outros artigos e seções (identificados com o ícone PDF fechado) estão disponíveis para assinantes da CH digital e nas compras de edições individuais. Clique aqui para comprar.

RSS

RSS gif

Seja notificado sempre que for publicada na CH On-line uma nova matéria da CH impressa. Saiba mais sobre RSS.

Sua opinião

Caro leitor, gostaríamos de contar com sua colaboração, respondendo a uma breve pesquisa para aprimorarmos ainda mais a qualidade da revista Ciência Hoje. Na edição deste mês: 1) Qual o artigo de que você mais gostou? 2) Qual o artigo de que você menos gostou? Deixe suas respostas nesse fórum ou envie-as para cienciahoje@cienciahoje.org.br. Obrigado por sua participação!

 
Parceria: 

Ciencia Hoy