Ferramentas Pessoais
a a a
Revista CH / 2010

Bacuri: fruta amazônica em ascensão

Guaraná, açaí e cupuaçu já conquistaram o Brasil e outras partes do mundo. Mas ainda há frutas da Amazônia por descobrir – entre elas o bacuri. Uma das frutas mais populares da região, ela vem ganhando mercado, com sua polpa usada para fazer sorvetes, doces e sucos.

Por: Alfredo Homma,José Edmar Urano de Carvalho e Antônio José Elias Amorim de Menezes

Publicado em 21/06/2010 | Atualizado em 21/06/2010

Bacuri: fruta amazônica em ascensão

O bacuri é pouco maior que uma laranja e contém uma polpa branca usada para fazer doces – até a rainha Elizabeth II já provou o sorvete da fruta, em visita ao Brasil em 1968 (foto: Embrapa Amazônia Oriental).

A crescente procura pelo bacuri já supera a capacidade de produção atual, essencialmente extrativa. Mas estudos mostram que essa situação pode ser modificada com a adoção do cultivo e do manejo de plantas originadas da regeneração natural da espécie. Isso geraria renda e emprego, e permitiria a recuperação parcial de extensas áreas desmatadas e abandonadas. 

Bacurizeiro nativo
Bacurizeiros nativos existentes na natureza são árvores frondosas que podem ter até 40 m de altura e 2 m de diâmetro (foto: Embrapa Amazônia Oriental).

O bacuri é uma das frutas mais populares da região amazônica. Essa fruta, pouco maior que uma laranja, contém polpa agridoce rica em potássio, fósforo e cálcio, que é consumida diretamente ou utilizada na produção de doces, sorvetes, sucos, geleias, licores e outras iguarias.

Sua casca também é aproveitada na culinária regional, e o óleo extraído de suas sementes é usado como anti-inflamatório e cicatrizante na medicina popular e na indústria de cosméticos.

O bacurizeiro (Platonia insignis) pode atingir mais de 30 m de altura, com tronco de até 2 m de diâmetro nos indivíduos mais desenvolvidos. Sua madeira, considerada nobre, também tem variadas aplicações. Essa árvore ocorre naturalmente desde a ilha de Marajó, na foz do rio Amazonas, até o Piauí, seguindo a costa do Pará e do Maranhão.

O bacurizeiro é uma das poucas espécies arbóreas da Amazônia que se reproduzem de modo tanto sexuado (por meio de sementes) quanto assexuado (por brotações oriundas de raízes).

O caboclo amazônico diz que o “bacurizeiro nasce até dentro de casa”

Em áreas de ocorrência natural, com vegetação aberta, a densidade de indivíduos em início de regeneração pode chegar a 40 mil por hectare (1 ha equivale a uma área de 100 m x 100 m), por causa das brotações. Por esse motivo, o caboclo amazônico diz que o “bacurizeiro nasce até dentro de casa”.

A produção atual de polpa de bacuri tem origem basicamente na coleta dos frutos de árvores oriundas de regeneração natural, que escaparam da expansão de povoados, do avanço da agricultura e da pecuária e da extração madeireira no litoral do Pará e do Maranhão nos últimos quatro séculos.

No passado, o bacurizeiro foi mais importante como espécie madeireira que como planta frutífera. Sua madeira resistente e de coloração bege-amarelada era muito utilizada na construção de embarcações e de casas, o que ainda é observado em muitas áreas de ocorrência natural.

Flores de bacurizeiro
As flores do bacurizeiro variam do branco ao vermelho e fazem com que a árvore, na época da floração, apresente um belo visual (foto: Embrapa Amazônia Oriental).

Do extrativismo ao manejo

O mercado de frutas amazônicas tinha, até recentemente, consumo local e restrito ao período da safra. Porém, a crescente exposição da região nos meios de comunicação, no país e no exterior – sobretudo após o assassinato do ambientalista Chico Mendes (1944-1988) – chamou a atenção para esses produtos. 

Uma das "comidas do mato" de Macunaíma, prepara-se para seguir o caminho de castanha-do-brasil, guaraná, açaí, cupuaçu e pupunha

O aumento da procura pela polpa de bacuri elevou seu valor (o preço por quilo passou de R$ 10, em 2005, para até R$ 20 atualmente) e indicou que a produção extrativa não tem condições de atender sequer o mercado local.

Essa maior pressão de demanda teve reflexos nas áreas de ocorrência, induzindo o manejo dos rebrotamentos naturais e o estabelecimento de pomares por agricultores do Pará, em especial da colônia nipo-brasileira no estado.

O bacuri, que era uma das 'comidas do mato' de Macunaíma, o 'herói sem nenhum caráter' do romance modernista (1928) de Mário de Andrade (1893-1945), prepara-se para seguir o caminho de castanha-do-brasil, guaraná, açaí, cupuaçu e pupunha, ganhando dimensão nacional e internacional.

Você leu apenas o início da reportagem de capa da CH 271. Clique no ícone a seguir para baixar a versão integral. PDF aberto (gif)


Alfredo Homma,
José Edmar Urano de Carvalho
e Antônio José Elias Amorim de Menezes

Embrapa Amazônia Oriental,
Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária

Ações do documento
blog comments powered by Disqus
novobannerch.jpg  

pchael
Assinatura digital

acervo digital

Clique aqui para informações

Suplemento cultural

banner sC

Quer publicar na CH?

Se você é pesquisador e gostaria de submeter um artigo para publicação na Ciência Hoje, confira antes nossas instruções para autores.

Acesso ao conteúdo

A cada nova edição da CH impressa, alguns artigos e seções ficam disponíveis gratuitamente para todos os leitores. Esses itens são identificados com o ícone PDF aberto(para download) ou disponibilizados em uma versão digital reduzida da CH. Os outros artigos e seções (identificados com o ícone PDF fechado) estão disponíveis para assinantes da CH digital e nas compras de edições individuais. Clique aqui para comprar.

RSS

RSS gif

Seja notificado sempre que for publicada na CH On-line uma nova matéria da CH impressa. Saiba mais sobre RSS.

Sua opinião

Caro leitor, gostaríamos de contar com sua colaboração, respondendo a uma breve pesquisa para aprimorarmos ainda mais a qualidade da revista Ciência Hoje. Na edição deste mês: 1) Qual o artigo de que você mais gostou? 2) Qual o artigo de que você menos gostou? Deixe suas respostas nesse fórum ou envie-as para cienciahoje@cienciahoje.org.br. Obrigado por sua participação!

 
Parceria: 

Ciencia Hoy