Ferramentas Pessoais
a a a
Colunas / Palavreado

Um caso especial de concordância

Em sua coluna de maio, o linguista Sírio Possenti propõe hipótese mais geral a uma exceção específica às regras de concordância verbal. Esta levaria em conta fenômeno cada vez mais frequente no uso da língua portuguesa.

Por: Sírio Possenti

Publicado em 31/05/2013 | Atualizado em 31/05/2013

Um caso especial de concordância

Sírio Possenti propõe que se expliquem pela mesma regra os casos em que de fato não há sujeito na oração e aqueles em que parece que não há sujeito, ou seja, quando o sujeito não está em sua posição típica. (imagem: Sxc.hu/ iamwahid)

Volto à concordância verbo-nome, de que falei aqui há dois meses. Um caso, em especial, merece comentário à parte: o do sujeito posposto.

Os gramáticos são unânimes em atestar (e aceitar) que o verbo concorde apenas com o elemento mais próximo de um sujeito composto, quando este está colocado depois do verbo. O exemplo clássico é ‘Passará o céu e a terra, mas as minhas palavras não passarão’. Mas há outros: ‘Que te seja propício o astro e a flor...’; ‘Habita-me o espaço e a solidão’ – ambos citados por Cunha e Cintra na Nova gramática do português contemporâneo, de 1985.

O que ocorre nesses casos, segundo os gramáticos, é que o verbo concorda apenas com um dos nomes, o mais próximo. Nos casos acima, com ‘céu’, com ‘astro’ e com ‘espaço’, em vez de concordar com ‘céu e terra’, com ‘astro e flor’ e com ‘espaço e solidão’ – o que resultaria em ‘passarão’, ‘sejam propícios’ e ‘habitam-me’. A condição para que essa concordância seja aceita é que o verbo ocorra antes do sujeito, dizem eles.

Mas a observação desses casos juntamente com outros permite elaborar uma hipótese mais geral e, assim, compreender melhor um fenômeno cada vez mais frequente. Coloquemos os exemplos acima ao lado de outros e observemos com algum cuidado o que ocorre:

  • Passará o céu e a terra...
  • Que te seja propício o astro e a flor...
  • Habita-me o espaço e a solidão...
  • Embora ainda falte duas semanas para o GP Brasil... (Joyce Pascovich, Folha de S. Paulo, 21/3/1992)
  • Faltou na vida de Althusser algumas noites que o inspirassem... (Fernando Gabeira, Folha de S. Paulo, 1/4/1992)
  • O receio é que possa ocorrer problemas administrativos... (Folha de S. Paulo, 21/9/1992)
  • Não é possível ser oferecido quase cem vagas a menos do que as existentes... (Correio Popular, 3/7/2002)
  • Já no primeiro semestre de 2003, deverá ter início as eliminatórias... (Folha de S. Paulo, 5/7/2002)
  • Já vou estar com 34 anos e a cada dia surge bons jogadores... (Declaração de Rivaldo, O Estado de S. Paulo, 6/7/2002)

Nos três exemplos extraídos de gramáticas – os primeiros da lista –, o sujeito é composto e está posposto e o verbo, no singular. Nos exemplos retirados de jornais, sejam eles de autoria de jornalistas conhecidos ou de outros cidadãos, o sujeito também está posposto e é plural, embora não seja composto. O que há de comum em todos os casos é o sujeito posposto, plural e o verbo no singular.

Talvez se possa propor uma regra parcialmente diferente da das gramáticas: o verbo não concorda com o primeiro nome do sujeito composto posposto; ele simplesmente não concorda com nada, já que a posição típica de sujeito – antes do verbo – está vazia. Ou seja, o verbo se comporta como se essas orações não tivessem sujeito.

Assim, a regra poderia ser simplesmente: Quando não há sujeito, o verbo vai para a terceira pessoa do singular.

Esta hipótese torna-se ainda mais interessante se considerarmos os casos em que, de fato, os verbos não têm sujeito, o dos verbos impessoais:

  • Chove muito no verão.
  • Neva no inverno.
  • Venta nas noites de tempestade.
  • Há muitas pessoas na praça.
  • Faz dez anos que saiu.

O que a hipótese propõe é que se expliquem pela mesma regra os casos em que de fato não há sujeito e aqueles em que parece que não há sujeito, ou seja, quando o sujeito não está em sua posição típica.

Tal hipótese fica ainda mais forte se aceitamos que a concordância é um fenômeno sintático. É só do ponto de vista semântico, ou seja, interpretando a oração, que podemos dizer que a palavra posposta (‘céu’, ‘semanas’, ‘noites’...) é o sujeito, embora deslocado.

Acrescente-se que a concordância também não ocorre nos adjetivos ou nos particípios, exatamente como nos verbos (seja propício o astro e a flor, ser oferecido quase cem vagas, em vez de sejam propícios o astro e a flor, serem oferecidas quase cem vagas).

A hipótese é que o falante aplica a regra (isto é, copia traços de número e pessoa do sujeito no verbo) apenas se o sujeito estiver antes do verbo.

Diversidade e subjetividade

É mais fácil aceitar esta hipótese se aceitamos que em cada língua há várias gramáticas competindo entre si. Além da ordem das palavras, outros fatores intervêm para explicar a diversidade das soluções. Por exemplo, há casos em que se leva em conta, além da posição, a distância entre verbo e sujeito. Vejamos a seguinte afirmação de Evanildo Bechara:

“Se houver, entretanto, distância suficiente entre o sujeito e o verbo e se quiser acentuar a ideia de plural do coletivo, não repugnam à sensibilidade do escritor exemplo[s] como o[s] seguinte[s]: Começou então o povo a alborotar-se, e pegando do desgraçado cético o arrastaram até o meio do rossio e aí o assassinaram, e queimaram, com incrível presteza (Alexandre Herculano)”. (Moderna gramática portuguesa, 1999). Que fique claro que os verbos em negrito concordam com ‘o povo’ (e, de forma ‘canônica’, também o verbo ‘começou’).

Um analista dos fatos poderia dizer que supor que o autor quis acentuar uma ideia e que existe ou não repugnância a alguma construção são critérios subjetivos

Observe-se que, analisando apenas os fatos sintáticos, não há como saber se o autor deseja acentuar a ideia de plural. O que é patente é a presença de um termo coletivo com o qual o verbo concorda no singular quando está próximo e no plural quando está distante.

Note-se ainda que o gramático invoca, a rigor, um critério de gosto (não repugnam ao escritor). Um analista dos fatos poderia dizer que supor que o autor quis acentuar uma ideia e que existe ou não repugnância a alguma construção são critérios subjetivos. Objetivamente, tem-se um verbo no plural apesar de o sujeito estar no singular – embora o sujeito seja um coletivo e esteja distante do verbo.


Sírio Possenti
Departamento de Linguística
Universidade Estadual de Campinas

Ações do documento
blog comments powered by Disqus
novobannerch.jpg  

pchael
Conheça o colunista

Sírio Possenti

A partir de outubro, a coluna Palavreado será publicada na quarta sexta-feira do mês. Ela é mantida pelo linguista Sírio Possenti, professor da Universidade Estadual de Campinas (Unicamp). Seus textos, sobre temáticas variadas, são baseados em fatos, observações e opiniões que circulam sobre a língua na academia, na mídia e na rua. Visite o arquivo para ler as colunas anteriores e leia a apresentação do colunista. Envie críticas, comentários e sugestões para siriop@terra.com.br

RSS

RSS gif

Seja notificado sempre que for publicada uma nova coluna de Sírio Possenti. Saiba mais sobre RSS.

Livros do colunista

Questões de linguagem

Questões de linguagem

Humor, língua e discurso

Humor, língua e discurso

Questões para analistas do discurso

Questões para analistas do discurso

Os limites do discurso

Os limites do discurso

Por que (não) ensinar gramática na escola

Por que (não) ensinar gramática na escola

Os humores da língua

Os humores da língua

Discurso, estilo e subjetividade

Discurso, estilo e subjetividade