Ferramentas Pessoais
a a a
Colunas / Caçadores de fósseis

Estamos mais próximos de Jurassic Park?

Pesquisadores encontram vasos sangüíneos e supostas células em fósseis de Tyrannosaurus rex

Por: Alexander Kellner

Publicado em 01/04/2005 | Atualizado em 04/01/2010

Os Tyrannosaurus rex , "estrelas" do filme Jurassic Park , eram répteis carnívoros que podiam passar de 14 metros de comprimento. (Arte: Maurílio Oliveira / Museu Nacional. Clique na imagem para ampliá-la)

O registro fóssil é realmente surpreendente. Conchas, ossos, ovos, pegadas, dentes, folhas, troncos e pólens são os principais resquícios da vida do passado encontrados nas rochas. Às vezes o paleontólogo se depara até com estruturas frágeis como asas de insetos e penas. Mas encontrar vasos sangüíneos de um dinossauro que depois de milhões de anos ainda mantêm a flexibilidade pode parecer ficção científica. Se um pesquisador publicasse isso há algum tempo, certamente teria sido taxado, na melhor das hipóteses, de charlatão, com possivelmente direito a uma passagem pelo Pinel. Mas cientistas americanos acabam de surpreender o mundo: eles encontraram não só vasos sangüíneos, mas também outras estruturas orgânicas em um dinossauro, e que ainda mantêm pelo menos parte de sua elasticidade!
 
O material em questão pertence ao Tyrannosaurus rex e consiste em alguns ossos isolados, procedentes da Formação Hell Creek, em Montana (Estados Unidos). A idade das camadas rochosas onde esse exemplar foi encontrado é de aproximadamente 65-66 milhões de anos. A julgar pelo fêmur (osso da perna), o indivíduo em questão tinha pouco mais de 10 metros de comprimento, não sendo, portanto, um dos maiores da espécie, que podiam passar dos 14 metros. O material foi coletado por John Horner e sua equipe do Museu das Montanhas Rochosas (Montana). Quando Mary Schweitzer, da Universidade do Estado da Carolina do Norte, teve acesso ao exemplar, ela pôde observar que o material estava bem preservado, mas não havia, em princípio, nada de especial. Ela percebeu apenas uma camada de coloração distinta na parte central dos ossos, que estavam quebrados.

As fotos mostram os tecidos moles de T. rex observados após a desmineralização dos fósseis. As imagens A, B e C mostram diferentes padrões dos vasos sangüíneos e estruturas orgânicas identificadas. O ponto escuro na foto C poderia representar uma célula preservada, como indica a comparação com vasos sangüíneos de avestruz (D), observados após a desmineralização de seus ossos. (fotos: Science )

Aí surgiu uma idéia: em esqueletos recentes, quando se quer analisar a matéria orgânica, existe uma técnica que consiste em retirar a parte mineralizada dos ossos. O que sobra são as partes moles, que podem então ser estudadas. O que aconteceria com o material do T. rex se essa técnica fosse utilizada?

A resposta surpreendeu a todos. Mary e seus colegas descobriram diversas estruturas orgânicas, entre as quais alguns vasos sangüíneos, que mantêm uma elasticidade, são ocos e possuem em seu interior estruturas que se assemelham a células. O trabalho não define a natureza das mesmas, mas traz uma comparação com material de avestruz, cujo conteúdo é formado por células sangüíneas vermelhas. A pesquisa recebeu destaque na edição de 24 de março da revista Science , uma das principais publicações científicas da atualidade.

Por que a descoberta é tão importante? Tecidos "moles" de dinossauros, apesar de bastante raros, já foram encontrados anteriormente. A maior parte esta preservada como impressão na rocha, apresentando uma espécie de molde da superfície externa do couro do animal. Existe um caso único, publicado na revista Nature (em 1996), no qual restos de tecido mole com vasos sangüíneos e fibras musculares se encontram excepcionalmente bem preservados de forma tridimensional em um esqueleto de dinossauro da Bacia do Araripe, no Nordeste do Brasil. O tecido mole desse exemplar ‐ que posteriormente foi chamado de Santanaraptor placidus ‐ foi preservado por substituição, onde a matéria orgânica original deu lugar a minerais (no caso, fosfatos).  No T. rex de Montana, ao contrário, não houve aparentemente nenhuma substituição: a matéria orgânica original (ou pelo menos parte dela) está preservada, o que é confirmado pela sua elasticidade. E isto é surpreendente, quando imaginamos que estamos diante de um animal extinto há dezenas de milhões de anos.
 

Os tecidos moles de T. rex chamam a atenção por ter preservado sua flexibilidade: a região indicada pela seta na foto da esquerda, quando era pressionada, retornava à sua forma original. A foto da direita mostra o aspecto fibroso desses tecidos. (fotos: Science )

 

Além da descoberta propriamente dita, existe outro ponto dessa pesquisa que, pessoalmente, considero ainda mais interessante. Não existe, aparentemente, absolutamente nada de especial nas rochas onde o material de T. rex foi preservado: um arenito (termo que os geólogos usam para se referir uma rocha com uma determinada granulometria) que se depositou em uma área onde há milhões de anos um rio desembocava no mar. Uma grande parte dos fósseis (não só de dinossauros) em diversos outros depósitos no mundo estão preservados nesse tipo de rocha, encontrada em antigos estuários.
 
Ademais, o fóssil em si não tinha nada de especial ‐ não se via tecido mole como couro, penas ou outras estruturas preservadas junto aos ossos. O esqueleto não é completo e os elementos não estavam sequer articulados, o que tornava o achado relativamente comum. Tudo isso leva a concluir que, se os colegas americanos estiverem corretos quanto ao tecido mole encontrado (os críticos procuram sempre enfatizar a possibilidade de contaminação), ha um enorme potencial para a preservação de matéria orgânica original em diversos outros fósseis, de crocodilomorfos, pterossauros e espécies de outros grupos. Caso isto se confirme no futuro, os cientistas terão mais ferramentas à sua disposição para responder diversas perguntas, em especial sobre como funcionavam os organismos extintos.
 
Vale a pena lembrar que, no Brasil, temos diversos depósitos com material excepcionalmente bem preservado e com grande potencial para esse tipo de estudo. Seria extraordinário se um laboratório nacional que estuda biomoléculas tivesse interesse em desenvolver essa linha de pesquisa. E não será por falta de exemplares fósseis que o Brasil deixará de participar desse tipo de análise, que está na vanguarda do conhecimento científico.

Para concluir, não posso deixar de mencionar a ironia do achado. De todos os dinossauros conhecidos, o material foi justamente encontrado em um T. rex , estrela dos filmes Jurassic Park (já são três e, dizem, há um quarto a caminho). Se ficar comprovado que a matéria orgânica original pode mesmo se preservar, existe, sem sombra de dúvidas, potencial para se obter partes do DNA de dinossauros. A partir daí, passar para a manipulação genética será um pulo e, como foi dito na primeira versão do filme, nós, paleontólogos, poderemos estar desempregados! Ou cuidando de parques de animais outrora extintos...
 

Alexander Kellner
Museu Nacional / UFRJ
Academia Brasileira de Ciências
01/04/05

Paleocurtas
As últimas do mundo da paleontologia
(clique nos links sublinhados para mais detalhes)






Uma das atrações do IV Congresso Mundial de Centros de Ciência , a ser realizado de 11 a 17 de abril no Rio de Janeiro, será a exposição Expo Interativa – Ciência para Todos . Localizada no Riocentro, a exposição reunirá as principais empresas de produtos, serviços e tecnologias para museus, centros de ciência e similares. O Museu Nacional/UFRJ, em parceria com o Instituto Nacional de Tecnologia/MCT e o Departamento Nacional de Produção Mineral, participará com um estande onde serão exibidas desde tomografias feitas em múmias e fósseis até os bastidores de como se prepara e reconstrói um dinossauro. O espaço terá também uma caixa de areia que reproduz um afloramento, onde adultos e crianças poderão "escavar" e identificar réplicas de fósseis.


Pesquisadores do Instituto de Geociências da Universidade Federal do Rio Grande do Sul descobriram uma nova espécie de gimnosperma no Brasil: Sommerxylon spiralosus , do grupo Taxaceae. Foram encontrados vários exemplares de troncos fossilizados coletados em rochas com cerca de 220 milhões de anos na localidade Faxinal do Soturno, no Rio Grande do Sul, que contém alguns dos mais ricos depósitos de troncos fósseis do país. A descoberta, publicada pelos Anais da Academia Brasileira de Ciências , aumenta a diversidade de gimnospermas fósseis e representa a primeira ocorrência do grupo Taxaceae em rochas com essa idade.




Cientistas argentinos e brasileiros descobriram na Patagônia um novo dinossauro carnívoro – Unenlagia paynemili . Restos de indivíduos dessa espécie foram encontrados em rochas de aproximadamente 90 milhões de anos na localidade Futalognko, às margens do Lago Barrealeas, na província de Neuquén, Argentina. O animal alcançava aproximadamente 2 metros de comprimento e pertence ao grupo Maniraptora, do qual surgiram as aves. Mais informações em www.proyectodino.com.ar .


Nos dias 24 e 25 de setembro, será organizado o Dinosaur Park Symposium, no Royal Tyrrell Museum , em Drumheller (Alberta, Canadá). O evento tem como objetivo discutir o futuro desse parque paleontológico, que possui uma das maiores concentrações de ossos de dinossauros no mundo. Nessa ocasião, será lançado o livro Dinosaur Provincial Park: A Spectacular Ancient Ecosystem , elaborado para as comemorações dos 50 anos de fundação do parque.




Após examinar dados sobre a primeira e última ocorrência de 17.797 gêneros de animais marinhos que viveram nos últimos 542 milhões de anos, pesquisadores da Universidade da Califórnia em Berkeley (EUA) identificaram que, a cada 62 +/- 3 milhões de anos, há uma crise na fauna marinha, caracterizada pela extinção, com redução da diversidade, seguida da  recuperação gradual, com o surgimento de novas formas de vida. Não foi encontrada uma explicação para esse ciclo – que não é obra do acaso, segundo dados estatísticos apresentados pelo estudo, publicado na Nature em 10 de março. Se os autores estiverem corretos, fica a pergunta: como a última grande crise foi há cerca de 65 milhões de anos, quando se extinguiram os grandes dinossauros e uma fração expressiva da fauna marinha, estaríamos nos dias de hoje no início de um novo período de extinção ou saindo dele? Em correspondência ao colunista, Richard Muller, um dos autores do estudo, disse que estamos chegando ao pico de diversidade, efeito de vários fatores, para que se inicie um declínio em breve – talvez dentro de mais poucos milhões de anos.


A identificação dos dígitos das mãos das aves é um dos pontos mais polêmicos na discussão de sua origem. Todos concordam que os animais que deram origem às aves tinham cinco dedos nas mãos e que perderam dois com o tempo. O problema está na identificação dos dígitos que sobraram: enquanto os estudos experimentais embriológicos aceitos até agora diziam que os três dedos das aves seriam o segundo, o terceiro e o quarto, as evidências nos fósseis indicavam que os dígitos deveriam ser o primeiro, o segundo e o terceiro. A controvérsia era um dos principais argumentos dos pesquisadores que se opõem a considerar que as aves descendam de um grupo de dinossauros. No entanto, um estudo recém-publicado no Journal of Experimental Zoology mostra que os paleontólogos estavam com a razão: os dedos das aves recentes são o primeiro, o segundo e o terceiro. Com isso, as evidências que suportam a teoria da evolução das aves a partir dos dinossauros ganha cada vez mais peso.




Envie comentários e notícias para esta coluna: alexander.kellner@gmail.com



 
Ações do documento
novobannerch.jpg  

pchael
Conheça o colunista

Alexander Kelnner

A coluna Caçadores de fósseis é publicada na segunda sexta-feira do mês. Ela é mantida desde dezembro de 2004 pelo paleontólogo Alexander Kellner, pesquisador do Museu Nacional da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ). Seus textos discutem novidades da pesquisa de fósseis. Visite o arquivo para ler as colunas anteriores e leia a apresentação do colunista. Envie críticas, comentários e sugestões para alexander.kellner@gmail.com


RSS

RSS gif

Seja notificado sempre que for publicada uma nova coluna de Alexander Kellner. Saiba mais sobre RSS.