Ferramentas Pessoais
a a a
Blogue / Bússola

Sobre animais, ética e ciência

Publicado em 28/10/2013

Polêmica remoída, a experimentação animal sempre desperta contendas acirradas. Atos recentes de grupos que defendem os direitos dos animais trouxeram o debate novamente à tona.

Sobre animais, ética e ciência

Se as regras forem seguidas à risca, cientistas devem se esforçar ao máximo para que animais não sofram – ou sofram o menos possível – durante experimentos científicos. (foto: Novartis AG/ Flickr – CC BY-NC-ND 2.0)

Qualquer ser humano com os miolos no lugar é avesso à ideia de maltratar um animal – seja ele qual for. E cientistas, ao que tudo indica, são seres humanos. Logo, eles próprios devem repudiar atos causadores de sofrimento a seres inocentes e indefesos.

Nos últimos dias, no entanto, o uso de animais em pesquisas científicas voltou a ser fortemente repudiado por grupos defensores dos direitos dos bichos. Acirrados debates acerca desse polêmico tema pululam na esfera pública.

Onde estará o ponto de equilíbrio que norteará os valores éticos e morais de nosso desenvolvimento científico?

Mas cuidado: um falso maniqueísmo tem sido propalado por contendores desavisados e desinformados. Alega-se que, de um lado, existem cientistas perversos – que, em seus jalecos brancos impessoais ofuscados pela sedução do progresso científico, seriam insensíveis ao sofrimento da bicharada. E, no extremo oposto, estariam militantes inoportunos – estereótipos de bicho-grilo e defensores de causas perdidas, vegetarianos ou não, que prezam por uma ética universal sem se dar conta de que as próprias vacinas que tomaram quando bebês foram testadas em bichinhos fofos que hoje defendem e querem libertar.

Não é raro toparmos com esse tipo de generalização falha. Mas tanto cientistas concordam que o sofrimento animal deve ser evitado ao máximo; quanto militantes e afins entendem o fato de que a ciência, além de prezar pela ética, muitas vezes depende desses experimentos para seguir em frente.

A questão é: onde estará o ponto de equilíbrio que norteará os valores éticos e morais de nosso desenvolvimento científico?

Ponderações

“No Brasil, todo laboratório que trabalha com esse tipo de pesquisa deve ter uma comissão de ética para garantir o bem-estar dos animais”, explica o médico Hugo Faria Neto, da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz). A instituição, aliás, divulgou uma nota pública externando sua posição. O mesmo fez a Federação de Sociedades de Biologia Experimental (Fesbe), que publicou uma carta aberta em seu sítio. A Academia Brasileira de Ciências e a Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência também se manifestaram sobre os recentes atos contra a experimentação animal.

Fato é que laboratórios precisam seguir rigorosas normas para que, em todas as fases das pesquisas, seja garantido o bem-estar dos bichos. E, sempre que possível, pesquisadores buscam métodos alternativos para evitar o uso de animais. Por exemplo: eles podem utilizar culturas de células, tecidos e mesmo programas de computador para simular os processos biológicos que querem estudar. “Somente em último caso recorre-se ao uso de animais”, diz Faria Neto. “E, quando isso acontece, eles devem ser muito bem tratados.”

Gato em experimento
Os cientistas devem evitar causar qualquer tipo de sofrimento desnecessário aos animais usados em pesquisas. E, quando for preciso submetê-los a procedimentos mais delicados, os animais devem estar sob efeito de anestésicos ou analgésicos. (foto: PETA)

Se as normas forem seguidas à risca, os animais de laboratório são criados sob condições rigorosas: alimento de qualidade; água fresca em abundância; locais bem higienizados; até mesmo detalhes como temperatura e iluminação são ajustados pensando no bem-estar deles.

“Se algum procedimento mais delicado for necessário, eles deverão estar sob efeito de anestésicos ou analgésicos”, conta o médico da Fiocruz. “É preciso evitar qualquer tipo de sofrimento desnecessário.”

Nem éticos, nem hipócritas

É desgastante lembrar que novos tratamentos, remédios e curas dependem em grande parte de trâmites que envolvem experimentação animal. Igualmente enfadonho é dizer que certos valores éticos e morais são inquebrantáveis e imprescindíveis para a dignidade da condição humana. Somados esses dois fatores, estão lançadas as bases de um infindável debate.

Faria Neto: “Nos últimos vinte anos, houve diminuição significativa do uso de animais em experimentos científicos”

Para muitos, a questão não é 'se' devemos ou não parar de utilizar animais em experimentação. E sim 'quando' e 'como' esse passo será dado. “Nos últimos vinte anos, temos avançado muito nessa questão; houve diminuição significativa do uso de animais em experimentos científicos”, conta o pesquisador da Fiocruz. A tendência, segundo ele, é usarmos cada vez menos animais nas pesquisas.

Faria Neto destaca ainda a necessidade de diferenciar a pesquisa médica daquela que visa ao desenvolvimento de novos cosméticos. E pondera: “Antes de usarmos um animal, devemos sempre nos perguntar qual é a real relevância daquela pesquisa para a sociedade.”

Para se aprofundar nessa delicada questão, confira o artigo ‘Experimentação com animais: uma polêmica sobre o trabalho científico’, publicado na CH 231, de outubro de 2006.


Henrique Kugler
Ciência Hoje On-line

Clique aqui para ler o texto que a CHC preparou sobre esse assunto.
Ações do documento
blog comments powered by Disqus
novobannerch.jpg  

pchael
Carta de intenções

Bússola é o blogue da CH On-line, atualizado por jornalistas, pesquisadores e colaboradores do Instituto Ciência Hoje. Ele traz textos sobre a atualidade científica no Brasil e no mundo, comentários de cientistas sobre resultados de pesquisas, um apanhado do que há de melhor sobre ciência na internet e novidades dos bastidores da redação. Leia nosso post inaugural para saber mais sobre o que você vai encontrar por aqui.

RSS

RSS gif

Seja notificado sempre que for publicado um novo texto no blogue Bússola. Saiba mais sobre RSS.